quinta-feira, outubro 28, 2010

Zé Bettio faz falta no AM

No 2º semestre de 2008, Zé Bettio voltava à Rádio Record e assumia as primeiras horas da manhã da emissora.

Em dezembro de 2009, alegando cansaço, o comunicador mais popular do rádio acabou deixando o microfone. Pelos inúmeros recados que registro neste blog e no podcast Peças Raras, há muitos órfãos de Zé Bettio.

Será que ainda vamos ter o prazer de ouvir bordões como o famoso "joga água nele" no rádio em breve?

Enquanto não temos a resposta, clique aqui para ouvir uma entrevista com Zé Bettio no Domingo Esportivo, de Milton Neves.

Zé Bettio, nesta gravação, anuncia também que estava finalizando um livro sobre a vida dele. Será um legado para futuros estudantes de comunicação, que vão poder acompanhar a história de sucesso de alguém que teve origem humilde e alcançou o êxito profissional ao transmitir sempre mensagens destinadas à família e à vida simples.

Atualmente, Zé Bettio está com 85 anos.

quarta-feira, outubro 27, 2010

Música para Eleger - Ivan Lins já deu voz à jingle político

Há aproximadamente 4 anos, chegaram às minhas mãos algumas fitas de rolo com áudios raros. Entre as peças raras ali contidas, uma me chama muito a atenção. Em meio à guerra de jingles que toma conta da corrida eleitoral, julgo apropriado dividir esse áudio com o público do nosso blog.


Ouça a versão da música Abre Alas, interpretada pelo próprio Ivan Lins, em um jingle político.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar este áudio, clique aqui)

A canção cita o candidato do PDS à prefeitura de Monte Castelo, Bianchini. Infelizmente não sei ao certo o ano desta gravação, mas os indícios é de que seja do início dos anos 80.

sexta-feira, outubro 01, 2010

Música para Eleger - FHC x Lula em 1994

Chegamos à eleição presidencial de 1994, que marca o início da polarização entre PSDB e PT. Lula e FHC dividiram as atenções.

Depois de ser derrotado por Fernando Collor na eleição anterior, Luiz Inácio Lula da Silva chegou a figurar em primeiro lugar por um tempo considerável nas pesquisas de intenção de votos. Mas o lançamento do Plano Real no ano da eleição pela equipe econômica do governo Itamar Franco contou pontos para a rápida ascensão de Fernando Henrique Cardoso. FHC associou sua imagem à liderança que tinha no governo Itamar e prometeu estabilizar a economia brasileira, sem choques ou congelamento de preços, como era o habitual. O compromisso lhe valeu a vitória no 1° turno, com o dobro de votos de Lula.

Às vsperas de mais uma eleição ao cargo do Poder Executivo, os governos de FHC e Lula têm sido muito comparados. Mas independentemente da preferência dos eleitores por um deles ou por uma terceira via, as canções políticas que marcaram a eleição de 1994 têm suas qualidades. Como já afirmei
nesta série, os jingles costumam ir além do nosso gosto pessoal por tal ou qual candidato. Às vezes, ficamos até irritados com um refrão marcante
e inteligente para um candidato que não tem essas mesmas qualidades. Mas vamos ao que viemos...

Ouça aqui os jingles que marcaram as campanhas de Lula e de FHC no ano de 1994.

A campanha de FHC teve aspectos muito bem pensados em termos de Marketing
Político. Inicialmente, pela escolha de um artista com sotaque bem nordestino para a interpretação do jingle. Dominguinhos transformou a imagem do tucano, até então elitizada e muito vinculada ao sudeste, em algo extremamente popular e emotivo. Já a campanha de Lula parece ter caminhado em direção oposta. O samba, mais ligado à cultura urbana, foi o ritmo adotado na legenda petista.

Vale destaque a um outro detalhe, a mão como símbolo da campanha de FHC e o
slogan "coloque o Brasil na mão certa". Apesar de extremamente preconceituosa, a mensagem não dava direito de resposta ao oponente.


Ficha Técnica dos jingles:
- Levanta a mão (FHC) - Sérgio Mineiro / Sérgio Campanelli / César Brunetti / Maurício Novaes (MCR)
- Lula Brasil - Flávio Augusto (Compasso)