sexta-feira, setembro 07, 2018

Como buscar Peças Raras neste blog

Na parte superior desta página, você encontra uma caixa de busca, conforme ilustração abaixo (no celular, é preciso alterar para "versão para web"):


Se procura por algum programa específico ou tema relacionado ao rádio, nesse espaço digite exatamente o que deseja ouvir. Sua pesquisa terá um melhor resultado se você colocar este assunto entre aspas. Depois, é só dar "enter" e divertir-se.

Boa viagem pelas ondas do rádio.

Fique em sintonia com nossas peças raras também em:










Abaixo, você encontra uma série de episódios do podcast Peças Raras. Divirta-se!

96 anos da primeira transmissão de rádio no Brasil

Foi em 7 de setembro de 1922, em exposição sobre o centenário da Independência do Brasil, no Rio de Janeiro, que a primeira transmissão experimental de rádio aconteceu no país. 


Edgard Roquette-Pinto no comando
da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro
(Crédito: site da Rádio Roquette-Pinto)
"Muito pouca gente se interessou", de acordo com o saudoso professor, antropólogo e, à época, vice-presidente da Academia Brasileira de Ciências, Edgard Roquette-Pinto. 

Apesar do som distorcido que não empolgou a multidão que foi à Baía da Guanabara naquele dia, foi justamente Roquette-Pinto que levou adiante a implantação do meio de comunicação, sendo considerado o pai do rádio no Brasil. Acompanhe um compilado de áudios envolvendo o ideal que foi imaginado para o "sem-fio" a partir da criação da Rádio Sociedade do Rio de Janeiro. 


- Neste link, uma edição especial do antigo NET Educação (atual Instittuto NET Claro Embratel) sobre o rádio como meio de comunicação, a partir da visão de Roquette-Pinto. 

- No player abaixo você ouve dois depoimentos deixados pelo "pai do rádio" sobre os primórdios do meio de comunicação em nosso País:





No dia 27 de setembro de 2014, o programa "Grandes Brasileiros", da Eldorado, lembrou Roquette-Pinto e o pioneirismo em relação ao rádio no Brasil. Ouça, no player abaixo, essa edição histórica, com apresentação de Haisem Abaki e entrevistas dos professores e radialistas Marcelo Abud e Flávio Luiz Porto e Silva.

terça-feira, agosto 28, 2018

Radialista Zé Bettio morre aos 92 anos de idade


O radialista Zé Bettio morreu na madrugada de domingo (26) para segunda (27).

Foto rara de Zé Bettio, tirada por Valdemar Jorge para o Departamento Multimídia do Centro Cultural São Paulo


Relembre algumas peças raras daquele que acordou muitas gerações "jogando água" nas pessoas logo cedo. 

No player abaixo, Zé Bettio no auge da carreira, em 1976, na antiga Rádio Record (de Paulo Machado de Carvalho):







Milton Neves realizou um sonho no domingo, dia 11 de setembro de 2011. Com a produção de Frank Fortes, dentro do Domingo Esportivo que conduz na Rádio Bandeirantes, o comunicador entrevistou um de seus ídolos, Zé Bettio.Ouça no player abaixo:

quinta-feira, agosto 09, 2018

Walcyr Carrasco aborda liberdade e superação de preconceitos

O podcast do canal de Cidadania do Instituto NET Claro Embratel desta semana é para pensarmos em um dia dos pais diferente. Fui à Bienal e conversei com Walcyr Carrasco sobre o livro para crianças "Meus dois pais". 
 
Imagine a história de um menino cujos mãe e pai se separam. A mãe vai morar em outra cidade e o garoto, então, passa a viver com o pai. Lá, Naldo conhece um amigo muito simpático e legal que mora no mesmo lar. Aos poucos, o menino percebe que, na verdade, o pai é casado com esse homem. Essa é a base do enredo de “Meus dois pais”, escrito pelo jornalista e autor de novelas Walcyr Carrasco. Lançado há uma década, em 2018, o livro ganha uma nova edição com ilustrações criadas por Ana Matsusaki.
Em entrevista ao Instituto NET Claro Embratel, o autor explica o que o estimula a escrever. “Todos os meus livros falam de liberdade e superação de preconceitos, porque essa é uma questão importante para mim”, afirma. Foi essa motivação que o levou a relançar “Meus dois pais”, visto que ainda hoje há uma boa quantidade de pessoas que não aceitam essas configurações familiares e, segundo ele, vive-se no país atualmente uma onda conservadora que precisa ser combatida. “A questão religiosa no Brasil está virando uma questão política e não poderia ser, porque somos um estado laico”, defende.
Para Walcyr Carrasco, relançamento de livro “Meus dois pais” acontece em momento conservador do Brasil, que precisa ser combatido (crédito: Marcelo Abud)

A dificuldade inicial que Naldo tem para aceitar a nova situação vem do preconceito, principalmente, dos pais dos amigos da escola. Tudo muda quando o menino ganha um bolo de presente de aniversário feito pelo seu “segundo pai” e percebe o quanto é amado por seus dois pais.
No podcast, Walcyr Carrasco revela ainda se escolas que adotaram a obra sofreram represália dos pais e o quanto as crianças estão mais preparadas do que os adultos para aceitar famílias com novas configurações.

Créditos:As músicas utilizadas na edição do áudio, por ordem de entrada, são: “Paula e Bebeto” (Milton Nascimento / Caetano Veloso), “Flutua” (Johnny Hooker e Liniker), “Pai e mãe” (Gilberto Gil) e “Todo amor que houver nessa vida” (Cazuza).

domingo, julho 08, 2018

Copa de Babel de 2010 - relembre os podcasts


Johanesburgo talvez tenha sido a Babel do mundo em 2010. Por lá, imigrantes de diversas nacionalidades colocam suas culturas e idiomas em campo. A diferença em relação à origem do termo Torre de Babel é que todos estão unidos pela linguagem universal do futebol. 

Ouça no player acima a edição do Bermuda Folgada que tem como tema a Copa de Babel e foi ao ar durante a Copa de 2010.

Marcelo Abud, Daniel Grecco e Edu Malavéia escalam neste programa: 
- narrações de futebol em diferentes idiomas; 
- a ascensão e a queda da Argentina em 2006; 
- o tema da Copa 2010 interpretado ao vivo na abertura da Copa; 
- a chamada espetacular em que Beto Hora dá voz a vários personagens e personalidades para anunciar a transmissão entre Brasil e Chile pela Rádio Bandeirantes; 
- José Silvério narrando um gol que não aconteceu contra Portugal; 
- o jingle dos Hipermercados Extra para a seleção brasileira. 

Uma verdadeira seleção imbatível de peças raras.



Na imagem, a obra Babel, de Cido Meirelles, composta por uma imensa torre só de aparelhos de rádio. 

2º Tempo e prorrogação...

O áudio acima foi produzido originalmente em 2010, durante a Copa do Mundo da África, para a série de podcasts Bermuda Folgada. Marcelo Abud, Daniel Grecco e Edu Malaveia. 

Em campo
Acompanhe as peças raras escaladas para entrar em campo nesta edição: 1. Narração do 4º gol da Alemanha pelo ponto de vista de um apaixonado narrador argentino; 2. Gols da Alemanha na voz de um narrador local; 3. O gol de Villa resultando na tristeza do paraguaio e na explosão do espanhol; 4. A lembrança de Fiori Giglioti diante da queda do Brasil na Copa de 86 5. MÚSICA: A Cara Do Brasil - Celso Viáfora (Celso Viafora-Vicente Barreto) Na prorrogação, fique com Grecco e Abud, que colocam na área e comentam diferentes estilos de alguns dos grandes nomes da locução esportiva brasileira do rádio e da TV: Galvão Bueno, Cléber Machado, Osmar Santos, Fiori Giglioti, Pedro Ernesto e, sim, ele mesmo, Daniel Grecco. 

sexta-feira, junho 29, 2018

60 anos da conquista do Brasil na Copa de 1958

Nesta sexta, dia 29 de junho de 2018, faz 60 anos que o Brasil conquistou seu primeiro título mundial no futebol. 


Em 1958, a televisão ainda não tinha condições técnicas de transmitir os jogos ao vivo. Era em torno do rádio que o país parava para acompanhar e imaginar cada lance da partida. 

De acordo com o jornalista Alberto Helena Jr., em artigo publicado pelo Jornal Bom Dia, as imagens chegavam só mais tarde: "Um, dois dias, depois, via-se o jogo – ou melhor, partes dele –, pela TV ou no cinema."

Há 6 décadas, a Bandeirantes e a Panamericana (atual Jovem Pan) já se destacavam como emissoras dos esportes. O ouvinte buscava seguir passo a passo a narração dos lances, nas vozes de Pedro Luiz e Edson Leite (que aparecem na foto histórica extraída do site do Milton Neves, ao lado de Fiori Gigliotti). 

Para comemorar a data, confira trechos de LPs especiais produzidos por essas emissoras que até hoje se destacam na cobertura esportiva, contando a história dessa conquista.


Clique aqui ou ouça no player acima a história do jogo final no especial da Bandeirantes, contada pelo locutor Darcy Reis. 



Clique aqui ou no player acima para ouvir a mesma história, desta vez contada pelo saudoso Estevam Sangirardi (que futuramente comandaria seu incrível Show de Rádio), com narrações de Geraldo José de Almeida e Waldir Amaral.

Depois de ouvir as narrações da Copa pela Bandeirantes e pela Jovem Pan, entre em campo e escolha qual a equipe de rádio campeã daquela copa na sua opinião. 

(postagem adaptada de publicação feita neste blog em 2008)