sexta-feira, fevereiro 25, 2011

Heródoto Barbeiro vai para a Record News, segundo Keila Jimenez




É difícil de acreditar, mas, de acordo com o blog da Folha Outro Canal, da jornalista Keila Jimenez, Heródoto Barbeiro está de malas prontas para a Record News.

Com a mudança, com estreia prevista para abril, o âncora e idealizador da Central Brasileira de Notícias (CBN) deixaria a emissora de notícias do Sistema Globo de Rádio. Quanto à TV Cultura, não representa nenhuma novidade, nem perda para Barbeiro, já que o espaço dado ao jornalista tem sido muito insignificante, depois de alguns acontecimentos.

Acrescentando...
Desde o final do ano, ouço falar sobre a intenção da Record de criar uma rede "all news" de rádio. Há quem diga que Edir Macedo esteja em negociação com a Transamérica. Um detalhe: a Transamérica e a Record estabeleceram parceria para transmitir futebol. Parece que a intenção por trás da aquisição de um profissional experiente (com 28 anos de Sistema Globo de Rádio) como Heródoto, envolve mais coisas entre o céu e a terra.

Ouça mais:

Acompanhe entrevista exclusiva realizada pelo jornalista Daniel Grecco para o blog Peças Raras, em outubro de 2009

quinta-feira, fevereiro 24, 2011

Eu quero menos

Em 2008, a produtora de áudio Play it Again deu voz à uma excelente criação da AlmapBBDO para os chinelos Havaianas. A trilha, o texto e a locução de Evandro Mesquita se integram para defender que muitas vezes "menos é mais".

A peça publicitária diz muito o que eu gostaria de desejar a você e a todos que vivem para trabalhar em vez de trabalhar para viver.


Ouça aqui a ode à simplicidade da Havaianas
Se o player não estiver visível ou quiser baixar o áudio, clique aqui

Eu quero menos
Menos preocupação.
Menos formalidade.
Menos nuvens no céu.
Menos roupa.
Menos encanação.
Menos se levar a sério demais.
Menos escritório.
Menos cara feia.
Menos despertador do lado da cama.
Menos falta de tempo.
Menos resolver tudo por email.
Menos chapinha.
Menos distância.
Menos complicação.

Ah, eu quero menos pra mim...e quer saber? Eu desejo o mesmo pra você

Ficha Técnica
Anunciante: São Paulo Alpargatas
Título: Menos é Mais
Produto: Havaianas
Diretor de criação: Marcello Serpa
Criação: Renato Simões e Bruno Prosperi
Trilha/Locutor: Play it Again


terça-feira, fevereiro 22, 2011

Café Brasil especial traz vozes do rádio

Ciça, Irineu, Lalá, Luciano, Viviani e Vini
O podcast Café Brasil é uma das mais originais produções distribuídas em áudio atualmente. Primando por assuntos inteligentes e discussões relevantes, o apresentador e produtor Luciano Pires chega à edição de número 233.

Clique aqui e ouça o Café Brasil - Vozes do Rádio

O programa especial tem quase uma hora de duração e conta com três convidados: Antonio Viviani, Irineu Toledo e Vini França. Segundo Pires, eles dão voz a temas como o início da FM no Brasil, a importância da voz, do rádio atual, da banalização cultural e de temas importantes para quem ama o radio e, por extensão, o podcast.

O Café Brasil conta ainda com áudios de locutores famosos, jingles e músicas com artistas de vozes especiais. Na trilha sonora Rhaissa Bittar com Mauricio Pereira, Gonzagão com Raimundo Fagner, Luiz Melodia com Cassia Eller, a banda Lúcifer, Adoniran Barbosa e, é claro, Vicente Celestino.



quarta-feira, fevereiro 16, 2011

Discurso fenomenal

Foto: Miguel Schincariol (LanceNet)

Há muitos que consideram o rádio a mídia da emoção. Cyro César escreveu até um livro com esse nome. Na segunda, dia 14 de fevereiro, na hora do almoço, como de costume, estava parado no trânsito de São Paulo. Ao ligar o rádio, deparei-me com um hesitante discurso. Era a despedida de Ronaldo, claro (sic).


Vale a pena ouvir de novo a emoção de Ronaldo, que comoveu o país.(se o player não estiver visível ou quiser baixar o áudio, clique aqui)

No trajeto entre a região do Pacaembu e o bairro de Campo Belo, ao passar pela Av. 23 de Maio, em São Paulo, constatei um verdadeiro eco que saía dos automóveis e vi alguns pedestres vibrando com as palavras, ou falta delas, de Ronaldo.

Como narrei no post anterior, havia assistido ao filme Discurso do Rei no domingo, o que aumentou a sensibilidade para este momento acompanhado por muitos pelo rádio ou pela TV.

E já que estamos falando de futebol e de rei, assista aqui uma reportagem histórica sobre a despedida de Pelé dos gramados.

segunda-feira, fevereiro 14, 2011

O "real" discurso do rei

No último domingo, assisti ao "Discurso do Rei" no cinema. É de longe o que há de melhor em cartaz. E não me refiro só à atualidade. Entre muitos aspectos importantes, o filme talvez tenha no microfone seu personagem principal. Não qualquer microfone, mas o usado por uma das mais antigas e tradicionais emissoras de rádio do mundo, a BBC de Londres.

O Discurso do Rei é atração obrigatória para entender como a comunicação é essencial e pode transformar um simples cidadão naquele que tem o poder, até mesmo diante do rei.

Naquele tempo, década de 30 e prestes ao mundo entrar em guerra pela segunda vez, o rádio fazia toda a diferença.

Por curiosidade, resolvi buscar o discurso "real". Fiquei fascinado ao me deparar com ele e com uma série de outros registros da BBC London.

Clique aqui e ouça o discurso original do Rei George VI na BBC de Londres em 03 de setembro de 1939. Na ocasião, 3 de Setembro. Grã-Bretanha, França, Austrália e Nova Zelândia se aliam para declarar guerra à Alemanha.

Depois de ficar profundamente tocado pelo filme, minha sensibilidade em relação ao rádio aumentou. Se é que isto é possível. Ao voltar para casa, na hora do almoço, nesta segunda, sequer me importei com o trânsito. Entreti-me completamente diante de um discurso em que o protagonista demonstrava ansiedade e as palavras quase que o driblaram por completo. Imagino que saiba do que estou falando. Pelo caminho, deleitei-me ao ver algumas pessoas, no meio da rua, ou no gramado da av. 23 de Maio, com o radinho grudado ao ouvido.

Sei que se déssemos a mesma atenção a outros discursos, provavelmente teríamos um país diferente, mas isto já é outra história. Aqui refiro-me apenas à emoção que o rádio causou e causa há quase um século.

Vá assistir ao Discurso do Rei na telona e aguarde o outro discurso, que vou disponibilizar ainda esta semana neste blog.

Veja mais:
Acompanhe fotos da BBC durante a 2ª Guerra Mundial.


quinta-feira, fevereiro 10, 2011

Prof. Sérgio Nogueira e Beto Hora soltam a língua na Bandeirantes

Mais uma do excelente Beto Hora...

Em outubro de 2010, o Prof. Sérgio Nogueira estreou o quadro "Com a Língua Solta" na Rádio Bandeirantes.

Na recente volta das férias do Na Geral, chama atenção uma das novas imitações de Beto Hora.

Acompanhe o quadro original e, na sequência, a sátira "Com a Biela Solta".
(se o player não estiver visível ou quiser baixar o áudio, clique aqui)

Divirta-se mais:

A sátira a programas de rádio sempre foi valorizada em programas de humor. Em dezembro de 2006, uma edição do podcast Peças Raras destacou o imbátivel PRK-30 em imitação à então tradicional Ginástica pelo rádio. Ouça abaixo...

(se o player não estiver visível ou quiser baixar o arquivo, clique aqui)


sexta-feira, fevereiro 04, 2011

Valores, pesos e medidas. Por Chiara Luzzati

Chiara Luzzati - foto extraída do Facebook

TEMAS DA CHIARA
publicado em 21/01/2011 no Laboratório de Temas

Valores, pesos e medidas (por Chiara Luzati)

Câncer de tireóide. Diagnóstico que assusta. E faz pensar.
Sempre acreditei que devemos tirar algo de positivo dos fatos. Mesmo os mais duros golpes da vida. Neste caso, a doença foi detectada na pessoa com quem eu havia vivido nos últimos 15 anos. Apesar do susto inicial, a precocidade com que o tumor foi identificado ajudou enormemente na cura. Bastou uma cirurgia e medidas profiláticas para que o mal fosse sanado. Mas, ele já havia deixado a semente da inquietação.
Diante de uma situação dessas, é normal que passemos a repensar nossos valores. Afinal, o que é realmente importante na vida que pode acabar a qualquer momento? Será que sou mesmo feliz? Se eu morresse amanhã poderia dizer que fiz todo o possível na busca da felicidade? A minha resposta foi não.
Com 41 anos de idade, um longo casamento com um homem extraordinário, reconhecimento profissional, estabilidade financeira, uma linda casa, vários cães amados, eu me vi diante desse “não”. Palavrinha complicada essa. Aparece como quem não quer nada, mas vai ganhando força e perturbando. Tanto que é preciso tomar uma decisão. Ou deixar tudo como está, se refestelando em uma confortável vida morna, ou mudar.
E eu mudei. Tudo. Comecei avaliando os valores. Depois passei a pesar o impacto das minhas decisões.
Deixei mais de quatro décadas de história para trás. Me separei, pedi demissão, fiz as malas e parti para o Rio de Janeiro. Recomeçar a vida estando prestes a completar 42 anos é uma experiência interessante. O resultado ainda é uma incógnita. Mas o caminho já compensa.
Descobri que eu não preciso ter tantas coisas. Acumulamos uma assustadora quantidade de bens, mas nos conformamos diante da parca experiência de vida. Na verdade, nos enganamos. Acreditamos que a pequenez não é ruim. Ou que ela não é tão pequena assim. No meu caso, sempre achei que havia vivido bastante. Comecei a trabalhar com 15 anos, casei duas vezes, a primeira com 20 anos, viajei para muitos países, tinha muitos amigos, construí uma carreira profissional de certo sucesso...
Bacana. Mas não é o suficiente para ser feliz.
Infelizmente não tenho a resposta sobre o que é suficiente. Mas hoje posso dizer que se morrer amanhã, eu tentei. E nessa busca já pude descobrir quantos amigos verdadeiros fiz ao longo da vida. Pessoas que não via há anos se ofereceram para ajudar. Comovente e encantador. Ouvintes e companheiros de trabalho se desdobrando para me dar força. E sem falar nas minhas lindas irmãs, que me apoiaram incondicionalmente. Posso dizer que sou uma privilegiada por ter tido a honra de conviver com esses seres humanos e de viver tudo o que vivi até hoje.
Aliás, eu escrevo esse texto em respeito a todos que se surpreenderam com as medidas que tomei, mas ficaram ao meu lado. Muito obrigada a cada um de vocês.
Guardo no peito uma enorme dor por ter feito meu marido sofrer, por ter deixado meus cachorros e por me afastar das pessoas queridas mudando de cidade. Mas mantenho a convicção de que o tempo fará seu trabalho, como de costume.
Chiara Luzzati é jornalista e colaboradora do Laboratório de Temas.

PEÇAS RARAS DE CHIARA


Ouça Chiara no Sofá Bandeirantes em trecho da entrevista em que a jornalista comenta sobre o estressante cotidiano que levava. A entrevista é de 22 de junho de 2009.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar o áudio, clique aqui)

Acompanhe também um trecho do Jornal em 3 Tempos do dia 25 de agosto de 2009, quando o tradicional jornal das tardes da Rádio Bandeirantes tinha o comando de Chiara e de Paulo Galvão.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar o áudio, clique aqui)