sexta-feira, fevereiro 26, 2010

26 de fevereiro é o Dia do Comediante

Hoje é o Dia do Comediante.

Para marcar a data, acompanhe uma peça rara histórica. Gravado no Estúdio Eldorado pelo saudoso João Batista de Andrade e com apresentação sempre magistral de Chico Anisio, o trabalho foi patrocinado pela BASF do Brasil e distribuído para clientes como brinde de final de ano em fitas cassete.

Lançado em 1985, o kit incluía também um livreto com o resumo da "ópera". O material fez parte da comemoração dos 50 anos da invenção da fita cassete.


Ouça Chico Anisio e uma verdadeira aula de humor.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar o arquivo, clique aqui)

Esse rico material foi criado pela empresa Reminiscências, que tem outras produções antológicas.

segunda-feira, fevereiro 22, 2010

Love Songs: uma história de amor entre ouvinte e Fernando Moreno

Em mais um post da série "A Minha Cidade", que comemora os 30 anos em que a Rádio Cidade entrou no ar em São Paulo (em 25 de janeiro de 1980), acompanhe uma das incríveis histórias de amor do Love Songs.

O detalhe é que o episódio que você vai acompanhar envolve a relação de uma ouvinte com um dos locutores do programa, o Fernando Moreno.


Ouça aqui um trecho da programação especial apresentada em 25 de janeiro de 2005 pela Sucesso FM , em que Fernando Moreno conversa com Gilson Dutra sobre a ouvinte que dizia, por carta, adorar dormir com ele todas as noites.
(se o player não abrir ou quiser baixar este áudio, clique aqui)

A confusão aumentou quando o marido da ouvinte encontrou o rascunho da carta no lixo e foi tirar satisfação com o locutor na Rádio Cidade.

Depois da história, como bônus, fique com uma sequencial musical típica do extinto programa da Cidade FM, que recentemente ainda chegou a passar pela Band FM, depois que o grupo Bandeirantes adquiriu os 96,9 para transformar em BandNews.


quinta-feira, fevereiro 18, 2010

Pré-estreia: Trilha audiovisual destaca Tempos Modernos

O carnaval passou e como dizia uma famosa chamada do SBT, agora o ano começa "com força total".

A novidade é que vou estrear na Rádio USP FM um quadro sobre a cena profissional. A proposta, originalmente pensada pela jornalista Vanessa Teodoro e pelo produtor e apresentador do Trilha Profissional Mário Sant, é relacionar temas ou situações de filmes com o mundo corporativo.

Equipe do programa Trilha Profissional da Rádio USP: da esquerda para a direita, a primeira entrevistada, a Professora Doutora da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, Tânia Casado; o produtor e apresentador Mário Sant; a Dra. Marcia Dolores, Diretora do Instituto Saber; e Bruno Laskowsky, CEO da Cyrella Commercial Properties

O quadro, que ganha o nome de Trilha Audiovisual, irá ao ar dentro da atração que estreou em novembro do ano passado pela USP e que é apresentado toda terça, às 8 da manhã.

Aproveito o meu boletim Radioescuta Peças Raras, levado ao ar toda quinta, às 10 horas, pela Malaveiaweb, emissora que você ouve neste blog, para fazer uma pré-estreia das minhas participações.


Ouça aqui o boletim que apresenta a proposta do quadro. (se o player não estiver visível, clique aqui)

Ao promover esta pré-estreia exclusiva, conto com sua participação para melhorar as próximas participações. Conto com sua opinião, crítica ou sugestão. Para isso, disponibilizo a seguir os primeiros quadros que serão veiculados nos próximos dias pela USP FM.


Episódio 1: Em Boa Companhia
"A adaptação ao novo mundo dos negócios que se forma a partir das fusões de empresas, com destaque a jovens cada vez mais colocados em cargos de liderança sem a necessária experiência para tal posto é o destaque deste primeiro Trilha Audiovisual."
(se o player não estiver visível, clique aqui)


Episódio 2: Tempos Modernos
"Nos tempos modernos, um fator percebido como motivacional para os colaboradores é entender no quê aquela função exercida por ele, mesmo que seja a de apertar parafusos o tempo todo, resulta para a sociedade. As grandes empresas desenvolvem dinâmicas para mostrar a seus colaboradores da fábrica a participação deles no sentido de levar satisfação aos clientes da marca. Quando uma colaboradora que trabalha na linha de uma fábrica de cosméticos, por exemplo, percebe que o produto de seu movimento constante resulta no sorriso e satisfação de uma cliente, o trabalho passa a ser exercido com um sorriso no rosto também."
(se o player não estiver visível, clique aqui)


Episódio 3: À Procura da Felicidade
"À PROCURA DA FELICIDADE demonstra a importância do amor como mola propulsora para seguir em busca de uma oportunidade que possa tornar a vida melhor. Nesta trilha, nada é capaz de deter seus passos. Humilhação, fome e todo tipo de dificuldade se supera com a determinação e a esperança de que um dia seus valores morais vão lhe trazer o tão merecido sucesso na vida profissional e pessoal."
(se o player não estiver visível, clique aqui)


Episódio 4: O Diabo Veste Prada
"A mulher que assume posição de destaque deve perceber que o que pode oferecer de melhor para a corporação e equipe de colaboradores é justamente algumas das características essencialmente femininas. Ela vai permanecer no alto escalão se demonstrar sua capacidade de ser agregadora e de administrar conflitos. Ações que poucos homens conseguem desenvolver com a mesma maestria."
(se o player não estiver visível, clique aqui)

Se você ouvir todos os episódios, vai perceber - como é natural na fase de implantação de um novo projeto - que eles ainda não possuem um formato engessado, uma fórmula fechada. Gostaria de saber qual é o seu preferido e porque. Vou seguir a trilha da sua opinião para as próximas produções.

sexta-feira, fevereiro 12, 2010

SulAmérica Trânsito completa três anos

Clique na página abaixo e amplie para ler matéria publicada no Jornal Metro:



Veja mais:
Assista a vídeo veiculado na programação da TV Bandeirantes sobre as comemorações de 3 anos da SulAmérica Trânsito.


Cold Case e a Guerra dos Mundos

O episódio de Cold Case (série que na TV aberta recebe o nome de Arquivo Morto) apresentado há quase um mês no Warner Channel reconstitui - de forma ficcional - um dos milhares de casos em torno do dia em que os Estados Unidos pararam. Em 30 de outubro de 1938, véspera do tradicional Halloween, boa parte da população daquele país acreditou que o mundo acabaria, por causa de uma tenebrosa invasão de marcianos. Na verdade, a "Guerra dos Mundos" não passou de uma criativa transmissão de rádio sob a batuta do então jovem ator e diretor de radioteatro Orson Welles.


Assista à abertura do episódio World's End, título do capítulo que faz parte da quinta temporada. Nele, a força do rádio e a importância dessa transmissão são retratados de forma precisa.



Ouça a música tema que encerra "World's End": Allways, com Frank Sinatra.
(se o player não abrir ou quiser baixar o áudio, clique aqui)


Sinopse
World's End
No episódio número 100 de "Cold Case", os restos mortais de uma dona de casa são encontrados em um poço. Ao que tudo indica, ela planejava desaparecer na noite da transmissão de Orson Wells: "The War of the Worlds" de 1938. Durante a investigação, a equipe descobre que a família tinha intenções de escapar dos alienígenas. Bellamy Young ("Private Practice") aparece neste capítulo como Audrey Metz, Ralph Waite ("The Waltons", "Raízes", "Carnivàle") interpreta o papel de Felton Metz, Len Lesser ("Seinfeld") aparece como ator convidado no papel de Elmer Gibbins e finalmente a atriz coadjuvante Sonja Sohn ("A Escuta") interpreta o papel da namorada de Nick.

5x07 - World's End
Episódio nº: 100
Temporada: 5
1ª Exibição EUA: 04/11/2007

(Fonte: site da Warner na América Latina)

Para reviver a emoção por inteiro...



Em destaque, foto de Orson Welles durante a transmissão do radioteatro, extraída do site Mercury Theater.

Saiba mais:


- Conheça o Mercury Theater, programa em que A Guerra dos Mundos foi apresentada, e ouça outros radioteatros originais em inglês.

- Ouça as músicas de cada um dos episódios de Cold Case


quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Rádio USP lembra Pena Branca

José Ramiro Sobrinho, o Pena Branca, sofreu um infarto e veio a óbito no fim da tarde de segunda-feira. Laert Sarrumor, radialista e líder do Língua de Trapo, escreveu no Blog do Língua uma singela homenagem ao mestre da música caipira. Leia abaixo o texto na íntegra e ouça um trecho do programa Rádio Matraca com Pena Branca.

"Té mais, mano véio!

Em 1990 tive o prazer de participar de um dos mais gratificantes trabalhos dessa minha carreira de cantor/humorista/enganador.

Foi o espetáculo A Estrambótica Aventura da Música Caipira, concebido por Robson Borba, com roteiro e direção do saudoso mestre Carlos Alberto Soffredini, baseado nos “causos” de Cornélio Pires.

Contava a história da música caipira, desde seu aparecimento até os popstars breganejos, com um elenco que trazia o finado ator Adilson Barros - que, no papel do “Jeca” ia costurando os causos e as modas - os músicos Passoca, Kapenga Ventura e este Sarrumor - que junto com Wandi Doratiotto interpretava as duplas Alvarenga e Ranchinho e Milionário e José Rico (vejam só!) – entre outros.


Em pé: Cristina Guiçá, Laert Sarrumor, Paulo Vasconcelos, Kapenga, Luiz violeiro, Beto Sodré, Passoca e a acordeonista Rosa. Sentados: Os “mano véio”, Pena Branca e Xavantinho. Agachados: Adilson Barros, Lucinha, Wandi, Soffredini, o mímico Eduardo Coutinho e Zana de Oliveira. Foto de Vera Albuquerque.

As estrelas do espetáculo, sem dúvida, eram os “mano véio”, a dupla Pena Branca e Xavantinho.


Pena Branca e Xavantinho. Ao fundo, Cristina Guiçá e Eduardo Coutinho. Foto: Vera Albuquerque.

Foram meses de trabalho – entre ensaios, as apresentações no enorme Teatro Sergio Cardoso e a turnê por cidades do interior paulista- em que todos nós de elenco pudemos conviver com essas duas criaturas muito especiais, caipiras autênticos de Uberaba, excelentes seres humanos.

Em algumas cenas, nós nos reuníamos em volta deles, que, com voz forte e sempre sorridentes, iam desfiando clássicos da música sertaneja, como “Mágoas de Um Caboclo” e “Luar do Sertão”. Eu olhava com o canto dos olhos para os companheiros de cena e flagrava alguns olhinhos marejados de lágrimas. Era pura emoção!

A carreira deles foi curta. Começaram no disco em 1980, ganharam Prêmio Sharp, APCA, cantaram com Milton Nascimento, Fagner, Tavinho Moura e outros “bambas” da MPB, viajaram pelos esteites.

Em 1999 Xavantinho se foi. Pena Branca seguiu cantando. Seu disco “Semente Caipira” ganhou o Grammy Latino de melhor álbum de música sertaneja, em 2001. No dia 21 de setembro de 2002 ele esteve na Rádio Matraca, lançando o álbum “Pena Branca canta Xavantinho”, só com composições do irmão. Na segunda-feira passada, ele também se foi.


Ouça aqui um bloco do programa especial da Rádio Matraca, com o Pena Branca.
(se o player não estiver visível, clique aqui)

No próximo sábado, dia 13, o programa será reprisado na íntegra. E na sexta, dia 12, entre meio-dia e uma hora, no programa Via Sampa, na Rádio USP, breve homenagem, na “Dica do Sarrumor”.

É o mínimo que se pode fazer, por pessoas tão queridas." (Laert Sarrumor)

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

A Comunicação inovadora da Cidade FM

Em mais um capítulo da série A MINHA CIDADE acompanhe um resumo de como o estilo da emissora mudou a cara da FM.

Sandra Groth, Delphis da Fonseca e Rony Magrini comentam o que a comunicação da Cidade trouxe de inovador para o meio de comunicação.
(se o player não abrir, clique aqui para ouvir. Se quiser baixar este arquivo, clique com o botão da direita do mouse e escolha "salvar como")

Na reportagem, que reúne depoimentos extraídos da programação especial apresentada pela Sucesso FM de São Paulo em 25 de janeiro de 2005, descubra também um pouco sobre a origem do rádio musical jovem no Brasil, ainda em AM, a partir do final dos anos 60. Edu Malavéia explica como funcionou a Plenimúsica.

A série A MINHA CIDADE traz pelo menos uma vez por semana, até o fim do ano, um áudio que conta um pouco da história desta revolucionária emissora FM. O especial faz parte das comemorações que envolvem o surgimento da extinta Rádio Cidade há 30 anos, em São Paulo.

segunda-feira, fevereiro 01, 2010

Dia do Publicitário – A propaganda no rádio

Hoje, 1º de fevereiro, comemora-se o Dia do Publicitário. Nada melhor do que falar sobre a importância da publicidade no rádio.

A primeira década do rádio no Brasil foi patrocinada por aficionados pelo então novo meio de comunicação. Entre 1922 e 1932 a maioria das emissoras tinham em seus nomes os termos Clube ou Sociedade, já que eram os sócios desses grupos que pagavam mensalidades e mantinham a programação para eles mesmos ouvirem.

O rádio começou a se popularizar no início da década de 30, quando Getúlio Vargas autorizou a propaganda para o meio de comunicação. Com a verba advinda da publicidade, as emissoras contrataram elencos de artistas e passaram a produzir programas dos mais diferentes estilos.

Esta história é contada em detalhes em uma edição do programa Domingo Hora 13 veiculado em 1990 pela Rádio Cultura AM de São Paulo.

Ouça a primeira parte deste especial e entenda como a publicidade radiofônica evoluiu ao longo das décadas de 30 e 40.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar este arquivo, clique aqui)


Na segunda parte, acompanhe como a publicidade no rádio mudou a partir da concorrência com a TV. (se o player não estiver visível ou quiser baixar este arquivo, clique aqui)

A trilha sonora que marca o dia de hoje é a música Comunicação, de Edson Alencar e Hélio Matheus. Na interpretação de Elis Regina, a composição ganha força e demonstra a influência dos comerciais na vida das pessoas.

Confira “Comunicação”, com Elis Regina em especial gravado na Alemanha em 1972.

CRÉDITO: O programa Domingo Hora 13 sobre propaganda no rádio é uma colaboração de Sidney Corrêa, do Memorial Hélio Ribeiro.