quinta-feira, março 30, 2017

Rádio passa por crise financeira ou de profissionalismo? - por Miriam Ramos

A radialista Miriam Ramos, da USP FM

Caro amigo, será que daqui pra frente o mundo radiofônico ainda irá surpreender com as barbaridades que vem acontecendo no rádio?

A crise global, roubalheira no Brasil virou motivo para tudo. "Não se contrata no rádio por causa da crise". "Arrenda-se rádio para as igrejas, por causa da crise". Ah, falta pouco para se demitir justamente funcionários concursados das emissoras públicas também por causa da crise. Os salários dos radialistas e Jornalistas de rádio sempre foram os mais desvalorizados e mesmo assim as demissões dos nossos amigos de 20 anos de estrada estão acontecendo: Cátia Tofoletto, Cristina Coghi, Benne Corrêa... Só pra falar dos conhecidos nomes de rádio. Substituições desses profissionais tem a ver com política não com a desculpa da crise. Os globais ou artistas que viram funcionário polvo pra atuar com um tentáculo na TV e o outro tentáculo no rádio. Faz parte deste teatro pra gente acreditar que o mercado esta  sendo muito desfalcado pelo "alto salário desses colegas que estão sendo demitidos nas rádios comerciais". 

O que se vê há muito é profissional do ramo sendo trocado por estagiário. Mas e quando os estagiários estiverem formados, vão trabalhar na rádio do Edir Macedo ou RR Soares? Estas rádios arrendadas pra igreja são as únicas que estão em expansão, já notou? O discurso pra inglês ver é que o mercado tá ruim das pernas. Mas, busque as notícias: as rádios internacionais como as italianas, alemãs, portuguesas estão demitindo quem é do ramo pra substituir por famoso? Muita coisa boa que está realizando nas rádios que restam e ninguém sabe,  porque o objetivo é esse mesmo, não divulgar que o rádio é a mídia mais barata para investimento publicitário. Com pouco investimento se consegue fazer muito. 

Mobilização, união pra gente botar a boca no trombone e defender nosso espaço também não existe?Porque os políticos continuam donos de 2,3,4 emissoras nesse Brasilzão? ... Ninguém sabe as regras de concessão e o poder continua nas mãos dos manipuladores que fazem do rádio mais uma indústria do desemprego. Como tudo nesse país, quando radialistas e jornalistas de rádio desacreditarem desse engodo de que o rádio precisa substituir gente do ramo por artistas para aumentar audiência, a coisa começa a melhorar. Vergonhosas as demissões, fechamentos e substituições dos profissionais de rádio em São Paulo, especialmente.

Só mais um aparte: Jovens gostam de rádio sim. Ficam encantados no estúdio, participam e querem mais.

Miriam Ramos - idealizadora do único programa de rádio que recebe escolas e estudantes de 16 anos para tratarem do futuro profissional. Programa Abrace uma Carreira. A âncora apresenta toda quinta, às 13h, uma profissão diferente na rádio USP 93,7.



No vídeo, uma entrevista com Miriam Ramos sobre o programa Abrace uma Carreira, apresentado por ela na Rádio USP

Nenhum comentário: