quarta-feira, setembro 09, 2009

Não tire a Capital do ar, pelo amor de Deus


No último dia 5 de setembro, recebi a mensagem do radialista Carlos Althieri, de Caruaru, Pernambuco. Entre outros assuntos, ele comentava que havia ouvido boatos de que uma igreja estava prestes a arrendar a Rádio Capital - 1040 KHz de São Paulo. Althieri também adiantou que já tinham sido publicadas algumas informações desde o dia 4 de setembro a respeito desse misterioso fato no site Bastidores do Rádio.

Como nosso leitor e ouvinte diz, onde há fumaça... além de mais duas notícias publicadas ontem no próprio Bastidores do Rádio sobre a possibilidade do fim da programação popular da Rádio Capital, o Observatório da Imprensa também divulga a notícia.

Sugiro uma campanha a todos os que gostam de rádio. Vamos enviar e-mails para o canal "Fale Conosco" do site da emissora e demonstrar solidariedade aos jornalistas, comunicadores e equipe de produção que tornaram a Capital novamente um grande sucesso.

Acompanhe a seguir, o texto do jornalista Luiz Carlos Ramos intitulado "O rádio aos 87 anos, a má notícia":

"A cada mês de setembro, quando do aniversário da chegada do rádio ao Brasil, busca-se uma notícia positiva, capaz de ressaltar que tal data pode ser comemorada com festa. Neste ano, porém, não há motivos para otimismo, apesar dos claros indicadores de recuperação da economia brasileira: o rádio, que já ganhara o apelido de "Primo Pobre" dos demais veículos da mídia, vem perdendo espaço a cada ano. E agora, exatamente em 7 de setembro, dia do 87º aniversário da transmissão pioneira de rádio no alto do Corcovado, no Rio de Janeiro, que daria origem a uma época lendária de grandes emissoras espalhadas pelo país, percebe-se que uma das principais rádios AM de São Paulo, a Capital, está com seu destino selado: algo indica que deixará de ser uma rádio de música, entretenimento, jornalismo e esportes para se tornar mais uma rádio de religião eletrônica, 24 horas por dia.

Este articulista define, desde já, que nada tem contra o uso do rádio e de outros veículos pelas religiões, sejam a católica, as evangélicas, a judaica, a budista ou a islâmica. Além disso, o Brasil deve ser laico, sem beneficiar esta ou aquela fé religiosa. Liberdade de culto, acima de tudo. Se possível, sem pressão na hora de cobrança do dízimo por meios eletrônicos.

Feita essa ressalva, ocorreu um fato jornalístico importante em pleno feriado da Independência: o diretor-geral da Rádio Capital, Francisco Paes de Barros, no cargo há quatro anos e meio, depois de ter dirigido outras rádios de peso, como Globo, Record, América e 9 de Julho, distribuiu um comunicado aos funcionários da emissora, à imprensa e à opinião pública, em que lança um apelo para que sejam afinal esclarecidos os rumos da emissora e, ao mesmo tempo, afirma acreditar na possibilidade de a Capital ir para as mãos de um grupo empresarial de tradição no rádio.

Segundo lugar

O texto de Francisco, reproduzido a seguir, tem como base o fato de nas últimas semanas terem crescido os comentários de que a Rádio Capital estaria sendo vendida ou arrendada para o pastor evangélico David Miranda, da Igreja Pentecostal Deus é Amor, que já controla outras emissoras no Brasil e em dezenas de outros países. O atual proprietário da Capital, Nelson Morizono, e seus procuradores não se manifestaram publicamente antes do comunicado de Francisco Paes de Barros.

A Rádio Capital, criada em 1978 pelo empresário Edvaldo Alves da Silva, dono das Faculdades Metropolitanas Unidas, ocupou inicialmente o antigo prefixo da Rádio Novo Mundo e, mais tarde, passou aos 1040 kHz que pertenciam à Tupi dos tempos de Assis Chateaubriand. Nos anos 1990, Edvaldo vendeu a Capital para Morizono, então dono do laboratório farmacêutico DM, conhecido por fabricar Vitasay, a "vitamina do Pelé", assim como Doril, Melhoral e outros produtos. A DM foi vendida para outro grupo empresarial há quase dois anos, mas Morizono conservou a rádio, em que os comunicadores Eli Corrêa, Paulo Lopes, Cinthia, José Carlos Gomes, Paulinho Boa Pessoa e Cícero Augusto são as principais atrações.

Com jornalismo e uma equipe de esportes, a Capital tem mantido o segundo lugar em audiência AM, com a média de 120 ouvintes por minuto, na Grande São Paulo, mas é captada também no interior e em outros estados e pode ser ouvida também pela internet.

Vale a pena ler o comunicado de Francisco Paes de Barros, a seguir.

A Rádio Capital foi vendida para o missionário David Miranda?
Na última sexta-feira, 4 de setembro, por volta das 18h30, recebi telefonema do engenheiro Tadeu, responsável pelo setor técnico da Rádio Capital, informando-me que representantes do missionário David Miranda telefonaram para o Jeová, técnico encarregado do sistema irradiante, em Diadema, participando que iriam avaliar o estado dos transmissores na segunda-feira, dia 7 de setembro.

Não autorizei a visita e, além disso, procurei imediatamente a Meire, procuradora do Nelson, dono da Rádio. Demonstrando surpresa, ela, em tom categórico, ratificou a minha decisão.
Os rumores a respeito do possível arrendamento com o compromisso de venda da Rádio Capital aumentaram bastante, depois desse fato do último fim de semana. Tenho recebido muitos telefonemas e indagações de funcionários. Eles querem saber se a Rádio foi mesmo vendida ao missionário David Miranda.

Como Diretor Geral da Rádio Capital, na qualidade de colega de trabalho de jornalistas, radialistas, publicitários e funcionários em geral e tendo em vista o interesse da imprensa e da opinião pública em saber o que está realmente acontecendo com a Rádio Capital (Rádio Novo Mundo Ltda.) – 1040 kHz – 200.000 watts de potência, tenho a dizer o seguinte:


A Rádio Capital AM prossegue com sua programação normal, que a levou ao segundo lugar em audiência entre as rádios AM na região metropolitana de São Paulo e à liderança no período da tarde.

Até o presente momento, porém, a procuradora do dono da Rádio não divulgou informação concreta aos diretores e funcionários sobre a possível venda ou arrendamento dessa emissora criada em 1978.

Os profissionais da emissora receberam com surpresa a notícia não confirmada de que a Rádio teria sido vendida ou arrendada.

Uma vez que a Rádio Capital passou por completa reestruturação nos últimos quatro anos, tornando-se lucrativa e ampliando seu prestígio junto aos ouvintes, esses profissionais torcem para que, no caso de ocorrer a confirmação da venda ou do arrendamento, a transferência do comando seja para um grupo de tradição no rádio paulista, capaz de manter o atual estilo de sucesso e de utilidade pública. Neste período, a Rádio Capital AM tem colocado em prática um estilo de rádio popular com responsabilidade social, valorizado por comunicadores e pelas equipes de jornalismo e de esportes. No campo da fé, a Capital é uma rádio ecumênica.

Importante notar um detalhe: a rentabilidade das emissoras de rádio que vivem do mercado publicitário não tem condições de competir com as vultosas importâncias oferecidas por pessoas estranhas ao meio radiofônico no momento da compra ou arrendamento de emissoras.

Centenas de emissoras de rádio e TV do País já estão nas mãos dessas pessoas ou abrem parte de sua programação para esses grupos. Com isso, emissoras de tradição são descaracterizadas. O verdadeiro rádio vai perdendo espaço. Pode ser a extinção das profissões de radialista e de jornalista do meio eletrônico, como rádio e TV.

Conheço o Nelson, dono da Rádio Capital, há quase 40 anos. Nosso relacionamento sempre foi profissional, inclusive nos últimos quatro anos e meio, período em que dirigi sua emissora. O tempo, o dinheiro, a fama e o poder não transformaram o caráter do Nelson. Ele é um homem simples, bom, sensível e muito humano. Era pobre quando começou a trabalhar; hoje é um dos maiores empresários do Brasil.

Empresário de espírito público, ele sabe que o avanço avassalador de pessoas estranhas ao meio radiofônico, ocupando espaços importantes nas emissoras de rádio e de televisão de quase todos os municípios do Brasil, ameaça o emprego de milhares de jornalistas, radialistas e publicitários.

E mais: Nelson sabe que o serviço de radiodifusão, "embora conduzido por particulares, na essência e na imanência, é público e de relevante interesse social".

Apesar dos fatos mais recentes, confio que o Nelson, pelo menos, mantenha a Rádio Capital em mãos de radiodifusores autênticos. Caso contrário, não só estarão ameaçados os empregos de 60 profissionais. São Paulo também sofrerá prejuízo: o rádio sairá perdendo grande parte de sua voz."

Um comentário:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.