sexta-feira, abril 15, 2011

O genial Zé Béttio de Serginho Leite; por Carlos Coraúcci

Em homenagem a Serginho Leite, que nos deixou na terça-feira (leia aqui), reproduzo, a seguir, trecho de um dos capítulos do livro Um Show de Rádio: a vida de Estevam Sangirardi, de Carlos Coraúcci.

"A história do rádio seria outra se não existisse o radialista e apresentador de programas sertanejos Zé Bettio. Trabalhou em várias emissoras, mas foi na Rádio Record, na década de 1970, que ele chegou ao seu apogeu. Teve durante bons anos mais de 40% de audiência. Bem antes de começarem os noticiosos matinais, lá estava ele com seu estilo marcante para chamar a atenção das donas de casa, indicando milgagres para a saúde e bem estar, tratamentoe para 'o gordo' e para família inteira. Isso sem contar os sábados à noite no Bailão do Cine Coliseu, um cinema que ficava no bairro do Jaçanã, Zona Norte de São Paulo, transformado em salão de baile.


Ouça Zé Béttio na Rádio Record, em gravação de 1º de maio de 1976 (colaboração de Celso Antonio, do Memorial Hélio Ribeiro)
(se o player não estiver visível ou quiser baixar este arquivo, clique aqui)

O mote 'Zé Béttio' foi o grande responsável para que Sérgio de Souza Leite, nascido em São Paulo, no Hospital e Maternidade Matarazzo em 13 de setembro de 1956, ganhasse uma chance com Sanja no 'Show de Rádio'. Com um talento invejável e tendo como grande sonho tornar-se pianista, Serginho com seus dezoito anos frequentava diariamente o Bar do Alemão, na Avenida Antártica, próximo à Sociedade Esportiva Palmeiras. Corria o ano de 1974 e os assíduos frequentadores da mesa oito do referido bar já faziam seus sons e inovações. Ao lado de Tom Zé, Carlinhos Vergueiro, Vicente Barreto e muitos outros, Serginho Leite aprofundava-se cada vez mais na música. Sempre foi autodidata e sua dedicação era impressionante. (...)

Num certo domingo de 1978, após a Copa do Mundo da Argentina, Serginho chegou ao Edifício Winston Churchill, na Avenida Paulista, e encontrou na galeria, que é o hall do prédio (em que fica a Jovem Pan), Odayr Baptista, Weber Laganá e Carlos Roberto Escova, todos tomando cafezinho.

Os três haviam acabado de se demitir do programa. Serginho subiu até o 24º andar e encontrou Sanja se remoendo dos nervos. Não tinha ninguém para fazer o programa daquele domingo. Meio que no improvisosurgiu a chance que Serginho tanto sonhara (conheça mais aqui). Acalmou Sanja e fez junto com Douglas Rassputin, Ivan de Oliveira e Alaor Coutinho o programa daquele dia. Logo em seguida, trouxe para Sanja várias ideias, inclusive a que substituiria a Rádio Camanducaia: o programa Zé Béttio. Apoiado pelo técnico, que também trabalhava na Rádio Record, ou seja, muito próximo do imitado, Serginho conquistou grande popularidade, e o seu 'Zé Béttio' também marcou época.


Acompanhe a imitação de Serginho Leite para Zé Béttio em edição do Show de Rádio, na Bandeirantes AM, em 1997.
(se o player não estiver visível ou quiser baixar este áudio, clique aqui)

No 'Show de Rádio', o Zé Béttio de Serginho Leite era assim:

Música de fundo: Quem é...
Serginho: É o Zé Béttio
Música: Que não sofre por alguém / Quem é...
Serginho: É o José "Thatcher Béttio"!
Música: Que não chora uma lágrima sentida / Quem é...
Serginho: É o José "Maluf Béttio"... Manhê... Manhêêêê. Este é o programa internacional, do episcopal e por que não dizer do divino Zé Béttio...


Um comentário:

Rodney Brocanelli disse...

Realmente uma grande perda. Espero que a TV Record não tenha jogado fora os programas de humor que ele fez por lá nos anos 80. Iam ao ar antes do Perdidos na Noite.